Abravidro inaugura nova sede com muito vidro e isolamento acústico

-
Foi com muito orgulho que a Atenua Som participou do projeto da nova sede da Abravidro.
O espaço está localizado no edifício Comercial Casa das Caldeiras, no bairro da Água Branca, em São Paulo. O local tem área de 280 m² e dezessete posições de trabalho, além de uma sala modular que pode ser usada para reuniões com até 33 pessoas ou ser adaptada como um auditório com cinquenta lugares.

O escritório faz do ambiente um perfeito espaço para conhecer o uso de diversos tipos de vidros e apresentar todos os benefícios que cada uma dessas soluções oferecem ao ambiente — como conforto acústico e térmico, estética diferenciada e controle de privacidade.

Foram aplicados vidros temperados, laminados, de controle solar, insulados laminados com persiana embutida, além de peças com impressão digital de alta definição e outras com pintura a frio em cores especiais.

Atenua Som forneceu portas termo acústicas para dividir os ambientes com beleza, sofisticação e sobretudo, isolamento acústico.

Confira o vídeo da nova sede da Abravidro  e leia a revista virtual clicando aqui.

 

Dicas simples para proteger seu animal de estimação do barulho

São iniciadas as comemorações para chegada do novo ano com os tradicionais shows pirotécnicos de fogos de artifício. Porém o que para nós é uma diversão pode ser um verdadeiro tormento para os animais.

A audição dos pets é bem mais aguçada e em casos graves eles podem fugir de casa ou até mesmo ter um ataque do coração. Para quem possui pássaros, existem casos nos quais os donos os encontram mortos dentro da gaiola no dia seguinte, já que as aves são muito sensíveis.

Muitos animais ficam perdidos, são atropelados ou se machucam em grades ao tentar fugir do local. Outros animais são feridos quando abocanham o rojão achando que é algum objeto para brincar.

Dicas para evitar a agonia dos bichanos nessa época do ano:

– CABANINHAS E ESCONDERIJOS: Para quem tem gato ou cachorro dentro de casa, fazer uma cabaninha ou abrigo no qual eles possam se esconder é uma boa alternativa. Gatos gostam de se esconder em armários e abaixo da cama, garanta que tenham acesso a esses locais e deixe um cobertor ou edredom nas “toquinhas”.

– DEIXE-OS SOLTOS EM LOCAL FECHADO: Cães e gatos devem ficar sem coleiras para evitar que se enforquem e em ambientes livres de grades para evitar acidentes. Fechar portas e outros acessos para evitar que fujam com medo do barulho também é altamente recomendado. Fechá-los num ambiente seguro evita que se escondam em lugares como embaixo da máquina de lavar e geladeira e evita a correria em ambiente grande.

– DISTRAÇÃO: outra dica é deixar a televisão ligada para ter um som que vai distrair o animal do barulho de fogos.

– DIMINUIR A INTENSIDADE DO BARULHO: para evitar que o som chegue em grande intensidade, pode-se tentar abafar a sua entrada, colocando cobertores pesados ou colchões nas janelas e nas portas. É indicado cobrir a gaiola dos pássaros, tanto pelo ruído quanto pela luz dos fogos.

– SEPARE OS CÃES: muitos cães juntos podem brigar excitados pelo barulho, deixá-los em quartos separados evitará confrontos perigosos.

– FLORAIS: o produto pode ser encontrado em farmácias de manipulação ou lojas de homeopatia. Além de ser uma alternativa natural, não tem gosto e não tem efeito colateral nos animais, funcionando como uma espécie de calmante.

Deve-se ficar atento às características dos bichos – é preciso prever a reação de cada um. Estar por perto, transmitir a sensação de que tudo está sob controle é a melhor opção para acalmá-los.

Lei vai restringir uso de som alto em carros

O governador Geraldo Alckmin sancionou na última quinta-feira (10/12), o Projeto de Lei (PL) nº 455/2015 que restringe ruídos causados por aparelhos de som instalados em veículos estacionados em vias públicas ou calçadas particulares de guias rebaixadas.

Seguindo as normas da Organização Mundial de Saúde, o som deve ficar em até 50 dB (decibéis – unidade de medida do som) para não causar prejuízos ao ser humano. A partir de 50 dB, os efeitos negativos começam.

O proprietário do veículo que for flagrado com o volume do equipamento sonoro maior que os padrões estabelecidos pela nova legislação será multado em R$ 1 mil. Em caso de recusa de abaixar o som, além da multa o veículo poderá ser apreendido provisoriamente, o que não exclui o infrator da responsabilidade civil e criminal a que estiver sujeito.

Veículos profissionais previamente adequados à legislação vigente e devidamente autorizados, bem como veículos publicitários e utilizados em manifestações sindicais e populares também não são alvos desta lei.

A nova lei não proíbe manifestações culturais, nem se enquadra para carros em movimento, cuja fiscalização obedece a legislação federal. O Governo do Estado de São Paulo através da Secretaria da Cultura apoia eventos e manifestações culturais, são eles: Virada Cultural, Encontro Paulista de Hip Hop, Fábricas de Cultura, entre outros.

Leis sobre Poluição Sonora

O Governo do Estado de São Paulo se adequa à Constituição Federal, que determina ser também competência dos Estados (artigos 23 e 24) legislar sobre qualquer tipo de poluição e garantir a proteção e a defesa da saúde. A Lei prevê punição sobre aqueles que promovem desordem, infringindo outras legislações, causando poluição sonora que agride diretamente os seres humanos.

Destaque-se que a Lei das Contravenções Penais (Decreto-lei nº 3.688/41), em seu artigo 42, tipifica a conduta de quem perturba o trabalho ou o sossego alheios com gritaria ou algazarra, assim como abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos. A Lei 9.065/98 (lei dos Crimes Ambientais) considera crime passível de pena de detenção e multa “causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana” (artigo 54).

Atualmente, a Lei do Silêncio (Lei 4.092/2008) em vigor no DF restringe o barulho em área estritamente residencial a 50 dB durante o dia e 45 à noite. A alteração proposta na Câmara Legislativa do Distrito Federal prevê o aumento para 70 dB no período noturno e 75 no diurno.

A íntegra a Lei nº 16.049, de 10 de dezembro de 2015, está publicada no Diário Oficial do Estado.

Poluição Sonora – Exposição na gravidez aumenta risco de disfunção auditiva em bebês

-

Estudos recentemente publicado na Suécia pelo Institute of Environmental Medicine (IMM)  informam que a exposição à poluição sonora durante a gravidez pode prejudicar a audição da criança, com um aumento de 80% de risco em ambientes com níveis altos decibéis.

A recomendação é que mulheres grávidas devem evitar os níveis de ruído superiores a 80 dB, mas infelizmente esta recomendação não é sempre seguida.

Anteriormente se pensava que os bebês recebiam isolamento apropriado ao ruído externo, mas estudos informam que os barulhos, especialmente ruídos de baixa frequência, são fisicamente conduzidos para o feto.

A pesquisa foi realizada pelo Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar da Suécia com mais de 1,4 milhões de crianças nascidas entre 1986 e 2008.

A exposição ao ruído durante a gravidez foi divida em três categorias: baixo (<75 dB); média (75-84 dB) e alta (85 dB).

Para as mulheres que haviam sido expostas aos ambientes de ruído de alto nível (mais de 85 dB), o risco de disfunção auditiva em seus filhos foi de 80% mais elevados do que para as mulheres que haviam trabalhado em ambientes com mais atenção acústica.

Entre as mulheres que estavam expostas aos altos ruídos durante tempo parcial, os pesquisadores descobriram um aumento de 25% no risco – o que não foi considerado um problema estatisticamente significativo.

No grupo de mães que estavam expostas na categoria média não houve aumento significativo, mas a possibilidade de maior risco nos diagnósticos na disfunção da audição foram consideradas.

A música que você está ouvindo pode afetar seu humor

-

São vários os fatores que transformam o começo do seu dia com alto-astral: uma boa noite de sono, estar com boa saúde, ter em mente um bom dia de trabalho e etc… mas o que você talvez não saiba é que qualquer coisa que você estiver ouvindo tem a capacidade de afetar completamente o seu humor.

Vamos destacar as faixas musicais que você costuma ouvir, a música pode mudar completamente o seu estado de espírito!

Um recente estudo feito pelo “Centre for Interdisciplinary Music Research” (Centro de Pesquisa Interdisciplinar de Música) das universidades University of Jyväskylä, Aalto University na Finlândia e Aarhus University na Dinamarca, relatou que a saúde mental do paciente está diretamente relacionada ao que foi ouvido no mesmo dia, então a dica é ter mais cuidado ao selecionar sua trilha sonora diária para não afetar o seu humor.

Usando observações comportamentais e informações fornecidas através de mapas da atividade no cérebro, os cientistas descobriram que os receptores neurais trabalham de forma diferente dependendo do que o paciente estava ouvindo, seja uma música melancólica ou um ritmo alegre.

No teste, os pacientes que ouviam música lenta muitas vezes tinham experimentado sentimentos de solidão e depressão, enquanto os pacientes que ouviam músicas com letras otimistas e agitadas conseguiam obter um dia mais produtivo e animado durante suas tarefas do restante do dia.

Mas a questão ainda permanece: Como é que tudo funciona?

Uma área inteira do cérebro, controlada por receptores neurais minúsculos, é dedicada ao inconsciente e emoções.
Mesmo sem você perceber, o seu cérebro está em atividade constante controlando suas emoções e esses minúsculos receptores estão funcionando de forma diferente. Eles são rapidamente influenciados por tudo o que recebe através da audição – músicas, poluição sonora, ruídos externos e do ambiente de trabalho.

Se você está preparado para contribuir positivamente na maneira como está se sentindo a cada dia, selecionamos três dicas rápidas para manter seu cérebro feliz com uma pequena ajuda musical.

1. Músicas românticas
Limite-se a ouvir até cinco músicas lentas (com temas tristes e românticos) por dia e depois mude para algo otimista.
Se você adora sons calmos ou músicas melancólicas durante seu trajeto ao trabalho, faça uma seleção de faixas musicais animadas e com alto-astral para testar como seu dia será melhor!

2. Ouça o ruído branco
Estudos demonstram que o ruído branco é uma ótima alternativa para música e também é uma boa ferramenta para relaxamento.
A dica é optar também por áudios com o barulho da chuva, de floresta ou mesmo do oceano. Existem vários aplicativos oferecendo trilhas sonoras da natureza e é fácil localizar o tema no Youtube.

Veja dicas de aplicativos aqui no Blog da Atenua Som na matéria: “Saiba usar a música e outros sons em seu benefício”

3. Já ouviu um podcast ?
Não gosta de ouvir música de manhã e busca algo um pouco mais suave ou informativo para o seu trabalho matinal?
Tente um podcast!
Procure o áudio de seu programa de TV favorito, de blogueiros que comentam sobre o seu tema preferido ou de material publicado da imprensa especializada, além de contribuir com o seu lado cultural os podcasts são uma ótima alternativa para agradar seus ouvidos.

Indiferente do seu estilo musical, tenha a mente aberta para conhecer novos estilos musicais e o trabalho de outras bandas e músicos.
Quando perceber as mudanças em seu humor diário, a busca por novidades será cada vez mais gratificante!

Perda auditiva é mais comum em jovens do que em idosos

-
As mudanças de nosso estilo de vida e de alguns hábitos está causando uma mudança na faixa etária de quem reclama de problemas na audição; associamos problema de ouvir aos idosos, mas especialistas informam que a faixa etária que atualmente possui mais perda auditiva está entre os jovens.

Médicos informam quem está cada vez mais frequente adolescentes reclamarem de zumbido do ouvido.
Um dos principais hábitos que causam estes problemas é o uso constante de fones de ouvido de smartphones, tocadores de MP3, ouvir TV ou o próprio computador em volume alto. O abuso no consumo de bebidas alcoólicas, de cafeína, altos níveis de açúcar no sangue e o cigarro também impactam na saúde auditiva.

Os jovens também devem tomar cuidado com som alto durante festas e shows, o problema na maioria das vezes é considerado como temporário e não é encarado como algo mais sério.

Inicialmente os jovens não se incomodam com o barulho, mas com o passar o tempo o caso pode piorar, trazendo desconfortos na hora de dormir ou quando são realizadas atividades do dia a dia.

Aproximadamente 17% da população mundial têm zumbido no ouvido, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde, o que corresponde a cerca de 278 milhões de pessoas. Só no Brasil o problema atinge 28 milhões.

Apenas 20% das pessoas que apresentam zumbido procuram o otorrinolaringologista, alguns zumbidos podem ser administrados com tratamento, mas vale lembrar que a perda de audição é irreversível.

Nos Estados Unidos o tema já virou campanha entre os jovens, leia sobre o concurso que conscientiza adolescentes sobre perda auditiva induzida por ruído e assista aos vídeos vencedores de concurso sobre perda de audição.

Fogos de artifício podem fazer mal à saúde, veja como se proteger

 

Com a chegada do fim do ano aparecem os excessos de barulho das festividades de Natal e véspera de ano novo, o aumento da poluição sonora atinge níveis intensos e os acidentes envolvendo fogos de artifícios é crescente.

O barulho dos tradicionais shows pirotécnicos e das altas caixas de som possuem um potencial de dano auditivo que costumam ser subestimados, podendo causar zumbido, perfurar o tímpano e até gerar algum tipo de perda auditiva.

É comum imaginar que o zumbido e a sensação de diminuição de audição que se seguem após um evento explosivo são normais, mas vale lembrar que o som é uma pressão sonora. Barulhos inesperados podem virar um trauma acústico, causando um rápido deslocamento de ar que pode lesar a sua saúde auditiva para sempre.

Um estudo americano informa que a média de som medida há três metros de explosões de fogos de artifícios são de 150 dB, o que excede o critério de risco para audição. Ruídos acima de 85 decibéis são prejudiciais à saúde auditiva e quanto mais repetitivos e/ou altos eles forem, pior será o dano na cóclea, órgão responsável pela audição sensorial- principalmente ruídos acima de 120 db.

Para proteger a audição nessa época do ano, a dica é manter-se o mais distante possível do local queima dos fogos, evitando a exposição ao volume excessivo dos rojões. Se manter distância dos fogos for inevitável, a melhor saída é utilizar protetores auditivos que o protegerão dos níveis mais altos de pressão sonora. Para quem for soltar fogos, recomenda-se optar pelos modelos com pouco barulho, hoje em dia existem diversas opções de grande beleza, com cores e efeitos, sem os tradicionais estouros.

Quando possível, procure um otorrinolaringologista e avalie como está sua saúde auditiva. Neste link é possível fazer um pré teste, antes da visita ao médico: http://biosom.com.br/teste-auditivo-online.

É preciso redobrar a atenção com crianças e idosos, pois nem sempre eles sabem informar o que estão sentindo após a exposição a um barulho intenso ou outros fatores.