VidroSom

VidroSom: ferramenta de informação e troca de conhecimentos

O VidroSom (Seminário de Soluções Acústicas em Vidro) foi realizado durante a Fesqua-2018, no São Paulo Expo. Em sua 11ª edição, apresentou soluções inovadoras e estudos de casos para 190 pessoas. Destacou também o papel do vidro, da esquadria e os cuidados que devem ser tomados no desenvolvimento de um sistema acústico.

O evento consolidou-se como a principal ferramenta de informação e troca de conhecimentos entre arquitetos, fabricantes, consultores e profissionais do setor.

Destaques do VidroSom

Nesta edição, o evento trouxe um palestrante internacional: o grego Yannis Papadiotis, gerente de acessórios para esquadrias da SchlegelGiesse. Papadiotis chamou a atenção para diversos pontos que devem ser observados na fabricação e instalação das esquadrias. Além disso, destacou cases de sucesso em obras na Europa. Em sua palestra, Roberto Papaiz, presidente da Screenline e do ITEC – Instituto Tecnológico da Construção Civil – destacou aspectos sobre o desempenho, estética, conforto acústico e sustentabilidade da “janela do futuro”.

O gerente de Desenvolvimento de Mercado da CEBRACE, Remy Dufrayer, mostrou como o vidro isola o ruído e as vantagens dos vidros laminados. Citou, como exemplo, o vidro laminado de 11mm de proteção solar Cool Lite Linha S aplicado no Hotel Grand Meliá (RJ).

Luciana Teixeira, também da CEBRACE, detalhou o projeto Habitat e os benefícios do vidro de proteção solar em residências.

A engenheira Michele Gleice da Silva, diretora técnica do ITEC, destacou a importância de fornecer, especificar e utilizar esquadrias e guarda-corpos que atendam aos requisitos da Norma de Desempenho Nº 15.575.

Já a arquiteta Carolina Monteiro, doutora em acústica e pesquisadora nas áreas de acústica arquitetônica e ambiental, apresentou as ações desenvolvidas pela Pro Acústica para a elaboração do Mapa de Ruído da cidade de São Paulo.

Por último, Edison Claro de Moraes, diretor da Universidade do Som/Atenua Som e idealizador do VidroSom, trouxe novidades do último Inter Noise realizado recentemente em Chicago (EUA). “Vi que a acústica veicular continua sendo a ‘vedete’ por lá”. Além disso, apresentou um vídeo que expõe os graves problemas acústicos enfrentados pelos vizinhos do Allianz Parque (arena do Palmeiras) em dias de jogos de futebol ou de shows.

E concluiu: “Quando se fala em desempenho de uma janela, o maior problema é do fabricante e não do instalador”. No encerramento, houve um debate entre os palestrantes, coordenado por Fernando Rosa, gerente executivo da AFEAL.

 

Concurso de Desenho

As alunas Isabelli Souza (6ª série A), da Escola Estadual MMDC, e Karina Rodrigues, da Nova 4E, venceram o Concurso de Desenhos “A Poluição Sonora e a minha vida”. As estudantes receberam dois notebooks durante o evento.

Nickolas Corazza Alves e Herbert Custódio da Silva que venceram o mesmo concurso em sua primeira edição, há 10 anos, estiveram presentes e foram homenageados.

Os profissionais eng. Nelson Firmino, do Grupo Aluparts, de 86 anos, especialista em esquadrias especiais e Fernando Passi, diretor da Divinal, também receberam homenagens pelos relevantes serviços prestados ao setor.

Mais uma vez, o evento teve caráter social: o dinheiro arrecadado com as inscrições foi doado para duas entidades:

  • Nova 4E – que atende 160 pessoas especiais na Mooca;
  • Creche Paula Maria, que cuida 210 crianças carentes, no Cambuci.

O VidroSom contou com patrocínio da CEBRACE e realização da Universidade do Som.

A terceira idade merece ouvir bem

É inevitável que com o passar do tempo você vá perdendo a audição devido a diversos fatores como má alimentação e exposição a ruídos, além do desgaste fisiológico das células auditivas.

Na terceira idade, isso causa desconforto e constrangimento, pois é necessário pedir para aumentar o volume da TV ou até mesmo solicitar que a outra pessoa repita ou fale mais alto numa conversa.

O grande problema é o preconceito que muitas pessoas da terceira idade tem a respeito de problemas auditivos. Há uma resistência em procurar auxílio médico, e eles só procuram quando há pressão familiar, o que pode resultar num problema muito mais grave.

É importante frisar que quanto antes a pessoa procurar o médico, maiores são as chances de receber um tratamento e garantir uma melhor qualidade de vida, proporcionando mais segurança, aumentando as relações pessoais e evitando um isolamento.

Cuide de sua saúde auditiva, você merece ouvir bem!

Condomínio: como fazer a prova do excesso de barulho

Quem mora em condomínio e nunca teve problemas com barulhos no meio da noite que solte um grito. Ninguém está livre de vizinhos barulhentos.

A maioria das reclamações em condomínio recebidas pelo Síndico são referidas ao barulho, como por exemplo as festas com música alta, latidos de cachorro, reformas, crianças correndo, liquidificadores ligados em plena madrugada. Embora 95% dos problemas com barulho possam ser resolvidos com uma boa conversa, sempre há aqueles que precisam de medidas mais firmes.

Da ocorrência de problemas com barulho é necessário o registro do caso no livro de ocorrência do Síndico. Este que deve estar atento a esses problemas e tentar sempre apaziguar as partes pelo bom senso, ouvindo e respeitando os dois lados.

Pois bem, a convenção de condomínio deve estabelecer os limites do barulho dentro de seu espaço com base na NBR 10.152/2017. Nesta NBR, consta como aceitáveis os níveis de ruído do barulho entre 35 a 45 decibéis nos dormitórios e entre 40 a 50 decibéis na sala de estar, por exemplo.

Para comprovar o barulho em um determinado local ou cômodo em desconformidade com a regra do condomínio, poderão ser realizadas provas testemunhais, vídeos com som, ata notarial ou outra prova para auxiliar na comprovação dos fatos.

A ata notarial é um documento público, certificado por um escrivão, chefe de secretaria, tabelião ou servidor, os quais possuem fé pública e descrevem o que veem, sem avaliarem quem está certo ou errado. Sendo, portanto, uma prova robusta e incontestável, nos termos do artigo 405 do Código de Processo Civil, com grande valia em um processo judicial.

Sem o consenso entre os moradores envolvidos com o problema do barulho, sugerimos a contratação de um técnico especialista em medição acústica para realizar a medição do som produzido e juntamente com ele a contratação de um tabelião para que certifique o valor medido pelo técnico em uma ata notarial. Para comprovar a habitualidade do barulho, o melhor seria a realização de três medições em dias diferentes.

Assim sendo, em um possível processo judicial, em regra compete ao autor provar os fatos, com a prova por uma ata notarial tornará de forma segura e ágil a comprovação do excesso de barulho no processo, havendo assim a inversão do ônus da prova ao réu e este deverá comprovar no processo que os fatos certificados na ata notarial não são verdadeiros.00

A importância da cera de ouvido

O cerume, mais conhecido como cera de ouvido, é comumente tratado como sujeira, no entanto, é muito importante para evitar infecções, principalmente nos bebês. Por conta disso, é muito importante saber como fazer a limpeza da maneira correta.
Utilizar uma toalha ou um pedaço de papel higiênico até onde o dedo alcançar já são suficientes para limpar a cera que o organismo já eliminou. No caso de quem possui produção excessiva de cera, deve-se procurar o otorrinolaringologista em média a cada 6 meses, para uma limpeza mais regular.
No caso de sintomas como dificuldade de audição, sensação de entupimento e até tontura, é importantíssimo consultar o otorrinolaringologista para a remoção da cera, pois nessas situações é muito provável que ela esteja bloqueando o canal auditivo. É preciso tomar muito cuidado, porque qualquer tentativa de lavagem em casa pode causar infecções ou até mesmo perfurar o tímpano.
É importantíssimo manter o cuidado com a limpeza do ouvido, e também objetos que podem trazer a sujeira de fora para dentro como cotonetes e fones de ouvido intra-auriculares.

Automedicação: um grande risco para a audição

Quando falamos de medicamentos, já é sabido que o consumo desenfreado pode trazer consequências à saúde. No entanto, o que poucos sabem é que cerca de 200 deles são prejudiciais à audição.
Diuréticos, pílulas anticoncepcionais e anti-inflamatórios são considerados remédios de risco, ou ototóxicos, e podem causar danos graves à cóclea, que é a parte do ouvido humano responsável pela audição. A aspirina, por exemplo, é um dos mais comuns.
É importantíssimo realizar exames prévios de audição em casos de tratamentos intensivos, para verificar se os medicamentos utilizados não agravarão ainda mais algum eventual problema auditivo já existente.
Na infância, o uso excessivo deste tipo de medicamento pode acarretar em problemas de processamento do som, como distinguir sons do ambiente, ouvir com clareza a voz humana ou até mesmo reconhecer a própria voz.
É imprescindível consultar o médico otorrinolaringologista caso apresente alguma dificuldade auditiva, pois isso pode estar ocorrendo por conta de um remédio de risco!

Mitos e verdades sobre vedação para evitar ruídos em casa

Quando o assunto é barulho, todo mundo acha que sabe. A seguir, esclarecemos algumas dúvidas que costumam confundir as pessoas

mitos1 mitos2

PROMETEU, TEM QUE CUMPRIR

 

Ao escolher um imóvel pronto ou na planta, o cliente tem o direito de saber o nível de desempenho acústico definido pela construtora, que pode sofrer ação judicial em caso de não atendimento

 

Polêmica à parte, na prática, a Norma de Desempenho tem força de lei perante o Código de Defesa do Consumidor. Qualquer material de publicidade usado pela construtora na divulgação de um empreendimento vale como documento para o cliente que se sentir prejudicado. Segundo Fábio Villas Bôas, diretor do Sindicato da Construção (Sinduscon-SP), já existem escritórios de advocacia especializados em contestar o cumprimento das novas regras. “As empresas vão se ajustar à medida que o consumidor estiver mais atento. Será um favor para o mercado se o cliente começar a perguntar sobre o nível de desempenho já no estande de vendas”, diz.

 

Fonte: Revista Arquitetura e Construção – Julho 2018

 

https://arquiteturaeconstrucao.abril.com.br/sua-obra/mitos-e-verdades-sobre-vedacao-para-evitar-ruidos-em-casa/

Como prevenir seu pet contra rojões

A realização da Copa do Mundo traz de volta uma preocupação que de tempos em tempos aparece: como lidar com os animais de estimação diante do barulho de fogos e rojões.
Primeiramente, é preciso esclarecer que, segundo especialistas, esse barulho não causa qualquer dano à audição dos pets, embora possa provocar crises convulsivas em animais com esse histórico. Sabendo disso, é preciso ter cuidados para evitar que o bichinho fique muito assustado.
A principal coisa a se fazer é evitar deixá-lo preso na coleira, uma vez que existe o risco de, ao se desesperar, o animal acabe se enforcando. Também é aconselhado deixar portas e janelas fechadas, especialmente nos locais onde eles dormem.
É interessante lembrar também que cães podem ser treinados a se acostumar com barulhos, embora cada um leve um tempo diferente para se habituar. Em situações extremas, é possível também colocar bolinhas de algodão no ouvido do bichinho, sempre se lembrando de retirar após tudo se acalmar novamente.

A relação da música com o desenvolvimento afetivo da criança

Aproveitando o período de férias escolares, é interessante falarmos de uma atividade comum para muitas crianças: o ensino musical. A parte interessante é como o ensino musical está relacionado com o desenvolvimento afetivo delas.
De acordo com o fundamento dos autores Edgar Willems (1890 – 1978) e Murray Schafer (1933), a música tem a capacidade de trabalhar o afeto e as questões relacionadas com suas emoções, pois ela alegra, entristece, acalma e mobiliza. Além disso, cada música possui um significado singular para ser explorado.
Consequentemente, as crianças podem lidar melhor com determinadas situações na vida adulta, o que é extremamente benéfico para a qualidade de vida das mesmas.
Havendo a possibilidade, coloque as crianças no estudo musical, pois além de aprenderem essa sublime arte, ainda desenvolverão uma melhor capacidade de compreenderem suas emoções.

Acessório em desenvolvimento pode te livrar do ronco de seu companheiro

Janelas antirruído, sistema de isolamento acústico… existem diversas formas extremamente eficientes para se livrar do barulho externo. Mas e quando o incômodo vem do ambiente interno, como do outro lado da cama, por exemplo? Isso pode estar perto de ter uma solução.

Chamado de “QuietOnSleep”, um acessório criado por ex-funcionários da Nokia conseguiu levantar fundos para seu desenvolvimento e está muito perto de chegar ao mercado. Trata-se de um dispositivo com aparência semelhante a um fone de ouvido intra-auricular. Ativado, um microfone interno capta o som para um componente eletrônico, que faz a análise do ruído e impede a transmissão para o sistema auditivo do usuário. Seu foco são os ruídos de baixa frequência, até 500 Hz, que não são bloqueados por abafadores convencionais.

A previsão é de que o acessório custe US$149, podendo ser importado no Brasil a partir de outubro deste ano. Vale frisar, no entanto, que ele não possui cabeamento ou bluetooth, o que significa que não poderá ser utilizado para reproduzir música ou qualquer outro arquivo de áudio.

Fonte: Techtudo