Ruído nas escolas: um problema muito maior do que parece

É inevitável enfrentar o barulho na escola ou na sala de aula. No entanto, em muitas escolas, ele ultrapassa os limites tolerados, podendo causar diversos problemas para os estudantes.
Além de problemas auditivos, a exposição aos altos índices de ruído pode gerar estresse e dificuldades na aprendizagem. Conforme um estudo realizado pela Universidade de Oldenburg, na Alemanha, muitas escolas brasileiras ultrapassam o limite tolerado. Os momentos de intervalo são os mais ruidosos, porém a situação nas salas de aula também não é favorável.

 

Tratamento acústico em escolas

É necessário prover a alunos e professores estruturas adequadas e ambientes propícios ao ensino e aprendizado. Atenção à acústica traz melhorias no desempenho das crianças e maior satisfação a pais e mestres.
Uma das formas de aprimorar a estrutura das salas de aula é impedindo a entrada do ruído. Para isso, fornecemos soluções em esquadrias antirruído que podem acarretar melhorias em sua casa ou escola! Entre em contato conosco e faça seu orçamento.

Temperatura controlada sem o ar-condicionado

Pesquisadores da Universidade do Colorado, em Boulder, desenvolveram uma película plástica capaz de controlar a temperatura ambiente, sendo uma alternativa ao ar condicionado.
Isso é possível por conta da capacidade do plástico de absorver o calor e não retê-lo. Além disso, ele também dissipa o calor do interior do ambiente, funcionando literalmente como um ar-condicionado, mas usando muito pouco ou nada de água e energia.
Apenas 10 a 20 metros quadrados do plástico já são suficientes para que ele comece a fazer efeito. Os pesquisadores afirmam que com 20 metros quadrados é possível manter a casa em 20ºC, mesmo quando a temperatura externa está em 37ºC. Ele também pode ser utilizado em usinas termelétricas, para reduzir o consumo de água usado no resfriamento das máquinas.
O plástico pode ganhar escala industrial para aplicação em residências e edifícios comerciais, o que reduzirá o uso do ar-condicionado. Esta opção também é sustentável, por poupar recursos naturais para o seu funcionamento e garantir uma temperatura controlada.
Os engenheiros pediram a patente da tecnologia, e nos resta aguardar para que ela esteja à disposição.

Desempenho escolar é afetado por problemas na audição

Muitos pais e professores associam dificuldades de aprendizado das crianças e adolescentes à dislexia, hiperatividade ou até mesmo desatenção, no entanto, pode se tratar de um problema auditivo, conforme explica a fonoaudióloga Cintia Fadini.
– A criança consegue ouvir claramente a fala humana. Não é considerada surda. Porém, ela possui grande dificuldade em decodificar e interpretar a mensagem recebida na presença de barulho, principalmente – explica.
O Transtorno, ou Desordem, do Processamento Auditivo (DPAC) atinge 7% das crianças em idade escolar, conforme pesquisa realizada pelo instituto American Speech-Language Hearing Association (ASHA).
As crianças com esse transtorno são consideradas preguiçosas ou desatentas, por serem hiperativas e não conseguirem prestar atenção, o que consequentemente afeta o aprendizado.
É muito importante que os pais que identificarem que os filhos apresentem quaisquer desses sinais, procurem o fonoaudiólogo para que ele possa dar o diagnóstico correto e a indicação do melhor tratamento.