Uma nova visão para revitalização de prédios

Você já ouviu falar em Retrofit?
Quando se fala nisso muitas pessoas já logo pensam em uma cobertura com estrutura metálica e vidros. Mas se dissermos que é possível restaurar uma fachada de outra forma e ainda deixar o prédio com uma cara moderna?

Atenua Som participa de projeto acústico da sede do Neojiba

A Atenua Som em parceria com a empresa Nagata Acoustics realizaram o tratamento acústico do Neojiba (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia), programa governamental que tem por objetivo alcançar a excelência e a integração social por meio da prática coletiva da música.

A acústica ganha relevância no mercado hoteleiro com mudanças no comportamento do público


Ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade dos ambientes de hotéis a acústica ganha mais relevância já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia. Somado a isso, a velocidade com que se pode comunicar hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço de hospedagem pelo mundo.

Mais do que um bom serviço, boas camas e higiene, o setor hoteleiro de forma geral tem buscado oferecer experiências únicas, memoráveis e sensoriais que levem os hóspedes a certo encantamento. Nessa tendência da hotelaria, a acústica dos ambientes, ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade, ganha mais relevância, já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia.

Somado a isso, a velocidade com que se comunica hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço dos hotéis pelo mundo.

O conforto acústico produzido por materiais sofisticados com texturas, cores e impressões personalizadas ajudam a compor a identidade de um hotel e se inserem de forma fundamental na experiência dos hóspedes. A evolução das soluções em acústica busca acompanhar um mercado repleto de novidades tecnológicas em que, em alguns hotéis, se pode mudar as posições das paredes do quarto, ajustar de forma eletrônica a cama em diferentes direções, colocar as roupas para lavar e em pouco tempo retirá-las limpas, secas e passadas. Nesses locais, privacidade, silêncio e tranquilidade ainda são itens essenciais para o descanso.

Não existem normas específicas para a acústica de hotéis no Brasil. A ABNT NBRs 15575e 10151 e 10152, são as que servem como referência. “Para se ter uma ideia, o nível mínimo da normativa brasileira para edificações residenciais é de 80 decibels em dormitórios. Padrões internacionais para quartos em hotéis cinco estrelas não toleram mais que 55 decibels de ruídos externos. Ou seja, bem acima da régua brasileira, segundo André Raeder, consultor de acústica da Harmonia Acústica.

O primeiro hotel Four Seasons do Brasil, localizado em São Paulo, teve projeto acústico realizado pela Harmonia Acústica, que incluiu o lobbyballroom, salas de convenções, quartos, residências e um clube com spa, piscina, academia, restaurante e bar. Segundo Raeder, “um dos maiores desafios foi tratar os ruídos da área de equipamentos sobre as suítes presidenciais e isolar o ruído da Avenida das Nações Unidas, além de adequar as situações complexas do projeto aos padrões 5 estrelas do hotel”.

“Esquadrias e paredes isolantes, tipos de pisos, isolamento de casas de máquinas (bombas, gerador e compressor), desacoplamento estrutural da piscina − caso a mesma esteja na cobertura −, redução da reverberação nos lobbys e restaurantes, especificações de forros e revestimentos para os auditórios e salas de reuniões, além da avaliação das áreas administrativas”, são alguns dos aspectos a serem avaliados, segundo Débora Barretto, diretora técnica da consultoria Audium Acústica, na complexa equação para se alcançar o conforto acústico em projetos de hotéis.

Para controlar os efeitos de ruídos e vibrações é necessário evitar ao máximo os contatos rígidos e dimensionar elementos antivibratórios para cada situação, explica Barreto. Além disso, projetar barreiras acústicas, molas, paredes e portas isolantes, borrachas especiais com base em uma análise criteriosa de um consultor especializado é importante, segundo ela.

Privacidade e silêncio
Isolamento para limitar o ruído sem incomodar os quartos vizinhos, manter a privacidade ou para ter o máximo de silêncio no descanso após um dia intenso de viagem, trabalho, passeio, esportes ou lazer, é tudo o que um bom quarto de hotel precisa oferecer. Para atender um problema real como esse em São Paulo, a Atenua Som, fabricante de janelas termoacústicas, foi indicada pelo próprio autor do projeto do luxuoso Hotel Unique, o arquiteto Ruy Ohtake, a solucionar as frequentes reclamações dos hóspedes. Os principais incômodos vinham do barulho da avenida devida às acelerações e frenagens de motocicletas e ônibus. A impressão dos hóspedes era de que a janela ficava aberta. Já na face oposta do prédio, o ruído vinha do som dos equipamentos de refrigeração, segundo Nicole Fischer, diretora de produção da Atenua Som.

Do tipo maxim-ar circulares, de aproximadamente 1,8 m de diâmetro, com fecho caracol, constatou-se que o principal problema das janelas do Unique não vinham dos vidros e sim das vedações das esquadrias que não atuavam da forma devida.

“A média de isolamento antes da nossa intervenção era de 22dB. Após o trabalho passou a isolar 35dB em média”, explicam Michael Klein e Aparecido Bonifácio, engenheiros do laboratório da Atenua Som.

As paredes entre os quartos e o revestimento das lajes nos hotéis são itens fundamentais para a privacidade dos hóspedes, entre os andares de cima e de baixo, e o corredor. As soluções e sistemas utilizados devem blindar os ambientes de sons provenientes de aparelhos de TV e música, elevadores, casa de máquinas, do tráfego de pessoas e de carrinhos de malas, de limpeza, do frigobar, entre outros equipamentos que são fontes de ruídos.

Os sistemas de paredes com melhor desempenho acústico e, por isso, mais utilizados em hotéis pela versatilidade, segundo Raeder, são as drywall, mesmo se comparados aos de alvenaria e outros.  “Mas, para garantir o melhor desempenho, o uso de chapas drywall mais densas é fundamental, por permitirem a aplicação direta da lã de vidro sem a necessidade de reforçar a estrutura, o que ajuda no isolamento de ruídos de impacto”, explica Fernando Neves, coordenador técnico e comercial da Saint Gobain.

Para o isolamento vertical, a indicação de Neves é o painel em lã de vidro aglomerada com resina sintética, uma película branca impermeável que trata os ruídos de impacto gerados no pavimento das estruturas nas edificações.

Mercado em crescimento
Em um período de baixa temporada na economia global, o mercado brasileiro que, em 2018, foi marcado pelo baixo nível de crescimento de novas ofertas de hotéis e ocupação, esse ano começa a dar sinais de recuperação. Os maiores investimentos estão sendo projetados ainda para 2019 e 2020, com previsão da construção de 123 empreendimentos distribuídos pela região Sudeste e Sul, segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil – FOHB. Além disso, segundo o mesmo Fórum, a ocupação hoteleira deve crescer 3,2% em 2019.

Cenários como esses são delicados para investidores que veem incertezas no contexto político do país e buscam dar tiros certeiros e sustentáveis em longo prazo. Com isso, os empreendimentos de uso misto com escritórios, residências, cinemas e áreas de comércio começam a crescer.

A ideia amplia o espaço do hotel como área aberta para a cidade e induz os hóspedes a terem experiências locais imediatas, mas trazem desafios para o conforto acústico dos usuários. Mais circulação de pessoas e diferentes tipos de equipamentos prediais colocam para o setor de acústica novos desafios e oportunidades.

Segundo Nancy Devai, gerente de produtos da Owa Sonex, “projetos como esses são bem planejados do ponto de vista da acústica. Muitos deles estão próximos das grandes avenidas e das marginais onde é necessário um tratamento acústico maior. Precisam ser muito bem concebidos para que uma área não interfira na outra de forma muito drástica. Os pontos de acesso precisam ser bem dimensionados e separados. São grandes facilitadores da mobilidade, mas exigem uma solução arquitetônica bem resolvida”.

O Palácio Tangará, por exemplo, um hotel 5 estrelas localizado no Parque Burle Marx, em São Paulo, além de oferecer sofisticadas experiências incluindo, uma gastronomia padrão Michelin, tem a acústica como item primordial de conforto aos hóspedes. O escritório de consultoria Akkerman Alcoragi foi o responsável pelo projeto de acústica. As divisões internas receberam as chapas drywall da Placo Saint Gobain nas paredes das suítes, circulação, banheiros e closets e o revestimento interno da fachada. Os forros foram colocados nos apartamentos e circulação, como em áreas nobres como lobby e salão de festas. Para o spa, ballroom e academia, a Owa Sonex forneceu a linha de forros acústicos.


O conforto acústico em corredores, áreas de lazer, cozinha, restaurantes e ambientes coorporativos, como salas de convenções, treinamentos e reuniões de empresas é responsável por parte importante do conforto sonoro ambiental de um grande hotel. “Como exemplo temos o sistema corredor, um forro removível, que são réguas de 30 cm por 2m, que é indicado para ser instalado em hotéis, pois resolvem bem o ruído de impacto”, explica Paula Omizzolo, gerente de desenvolvimento de mercado da Knauf AMF.

Além de manter o desempenho acústico as soluções devem se adequar ao perfil de design, identidade e valores da rede ou de cada hotel. Omizzolo ressalta que “hoje existem placas acústicas, forros e acabamentos que podem ser personalizados com a logomarca do hotel, imagens e cores específicas para compor com quadros na parede; além de máquinas que fazem cortes e criam mensagens e formas como as nuvens e ilhas acústicas de lã de rocha e dessa forma se consegue personalizar o design da acústica, importantes para o conforto visual dos hotéis”.

Créditos – ProAcústica
As imagens dos hotéis dessa matéria foram cedidas pelas empresas associadas citadas.

O mito da caixa de ovo

Em todas as áreas existem mitos enraizados no imaginário popular e difíceis de derrubar. Esse texto é sobre um desses mitos, afinal todos já ouviram falar sobre “acústica e caixas de ovo”. É muito comum encontrar “estúdios caseiros” ou pequenas igrejas que usam o material procurando algum ganho acústico. Às vezes, a própria ideia de tratamento acústica é um tanto difusa, misturando os conceitos de absorção e isolamento numa única solução/.

Formas de tratamento de ambientes

A ideia comum que se tem de tratamento é, na verdade, uma junção entre isolamento acústico e tratamento com absorção, que são processos bem diferentes entre si.

Para isolar um ambiente, evitando a transmissão entre ambientes, pavimentos e área interna e externa de edificações são aplicados dois conceitos principais:

  1. Lei da massa: consiste na adição de massa a um sistema. Paredes grossas e densas, e outros elementos que apresentem valores altos de perda de transmissão em baixas frequências.
  2. Lei das frestas: eliminação de frestas, pequenos vãos e orifícios que possibilitem a passagem de altas frequências)

Além disso, é importante também realizar a eliminação de pontes acústicas (conexões rígidas entre fonte sonora e estruturas adjacentes).

Esse tipo de tratamento não visa melhorias na qualidade acústica do interior dos ambientes. Nesse sentido, elementos de absorção são utilizados. Qualquer tipo de material apresenta um coeficiente de absorção, por menor que seja. O que define se esse material é adequado ou não para utilização em tratamento de ambientes é o quanto ele absorve em cada faixa de frequências e qual a necessidade específica para o tipo de tratamento realizado.

A principal característica de materiais absorvedores é a presença de poros e cavidades. Esses poros são muito pequenos e em seu interior, de uma forma complexa, a energia sonora incidente é transformada. E assim acontece o processo de absorção.

Uma confusão comum

O primeiro engano cometido por aqueles que apostam em materiais alternativos, como caixas de ovo, no tratamento de ambientes é a mistura dos conceitos de isolamento e absorção. Mas o que leva à ilusão de que caixas de ovo são bons materiais acústicos é, muito provavelmente, sua geometria. Elas possuem formato semelhante ao de algumas placas de materiais porosos, utilizados para absorção. A diferença é que as caixas não possuem poros, portanto não possuem a característica principal que pode conferir as propriedades “acústicas” do material.

Então, em caso de necessidade por tratamento acústico, não se deixe enganar por anúncios falsos na internet! Procure orientação profissional!Para obter ambientes mais silenciosos, invista também nas esquadrias presentes. Entre em contato conosco e se informe sobre os produtos e serviços que oferecemos!

Portal Acústica e Atenua Som: parceria de conteúdo em acústica

A Atenua Som acaba de fechar uma parceria com o Portal Acústica, que tem como objetivo trazer informações relevantes sobre produtos, serviços, profissionais e novas tecnologias no mercado de acústica. Trata-se de um espaço colaborativo, com o foco em gerar e propagar ideias e soluções acústicas de qualidade.
Serão gerados e disponibilizados apostilas, vídeos, artigos e estudos de caso de fácil entendimento.

No portal http://portalacustica.info/ já é possível fazer o download gratuito de e-books sobre acústica e, a partir de abril, serão iniciados webinares gratuitos com especialistas em acústica, nos quais será possível interagir com perguntas sobre o tema escolhido.

O primeiro webinar será no dia 11 de abril e terá como tema a Arquitetura como Forma de Expressão Sonora. Será no formato talk show, com a participação da Arq. Débora Barretto, especialista em acústica nas construções e mestre em engenharia ambiental urbana na área de poluição sonora; e o MEng. Pablo Serrano, especialista em aeroacústica computacional e experimental e acústica de edificações.

O webinar abordará os assuntos:
• Acústica arquitetônica:
Quais as possibilidades para projetos nessa área?
• Principais tendências:
O que o mercado pode esperar para os próximos anos? Mudanças em normas e muito mais.
• Atualização constante:
De que forma estudantes e recém-formados podem se manter atualizados com as inovações do mercado? A universidade forma profissionais adaptados à essa nova realidade?

Faça sua inscrição em http://bit.ly/2mgCgXm e participe gratuitamente! É a sua oportunidade de dialogar e tirar dúvidas com profissionais referência em acústica!

Fique de olho também nos próximos webinares e acompanhe as novidades do portal. Vem muita coisa boa por aí!

Fim do barulho no Sambódromo! É possível?

Quem pensa que o isolamento acústico no Sambódromo é para isolar a música alta para não incomodar os vizinhos se engana. A intenção desta vez foi resguardar os atletas dos ruídos externos, como de trânsito, que poderiam atrapalhar o tiro com arco, nos Jogos Olímpicos Rio 2016.

Foi instalada uma parede acústica para diminuir a entrada dos ruídos externos, em especial os de trânsito das ruas ao redor. Os organizadores acreditam que a redução foi de 25%. Apesar do esforço, alguns atletas alegaram que a diminuição não foi suficiente para a concentração durante as provas.

 

Norma de Desempenho traz benefícios a obras de retrofit

A Norma de Desempenho NBR 15575 está trazendo benefícios não somente às obras novas como também às construções antigas que passam por retrofit.

 

Apesar da norma só ser exigida em edificações construídas a partir de 19 de julho de 2013, ela traz um nível de exigência maior aos produtos, que devem atender aos requisitos de desempenho térmico, acústico e luminosidade para cumprir a norma e podem ser aproveitados pelos consumidores nas obras de retrofit. Por não haver obrigatoriedade, é necessário que esses produtos sejam exigidos pelos próprios arquitetos e usuários que irão viabilizar a reforma, para garantir o conforto e sustentabilidade do novo local.

 

Segundo um estudo feito pelo Labaut (Laboratório de Conforto Ambiental e Eficiência Energética da Universidade de São Paulo), alguns dos produtos analisados, não cumprem completamente com o que anunciam. É indicado ao consumidor, que fique atento as certificações e selo de qualidade dos produtos em questão. Profissionais da área frisam que a partir da norma ABNT NBR 15575, esses materiais e produtos tem a obrigatoriedade de trazer informações sobre o seu desempenho, para que profissionais tenham a possibilidade de especificá-los para uma reforma ou construção.

 

O custo dos produtos que atendem a Norma de Desempenho costumam ser mais elevado que os convencionais, isso pois possuem materiais de qualidade superior e passam por testes que garantem sua eficiência. Há ainda que se tomar cuidado com fabricantes que declaram possuir produtos que cumprem a norma sem ter ensaios que comprovem essas afirmações. Caso o preço seja muito baixo, desconfie. É importante certificar que o produto de fato atenda às exigências da norma e o mais importante, o conforto de quem os utilizará.

VidroSom debate Soluções Acústicas em Porto Alegre

GERAL - VidroSom realizado em SP

Evento vai demonstrar como as janelas contribuem para melhorar a qualidade de vida das pessoas

O 8º VidroSom (Seminário de Soluções Acústicas em Vidro) acontece no próximo dia 18 de maio, a partir das 14 horas, no Hotel Deville, em Porto Alegre (RS). O evento propõe capacitação técnica e troca de informações entre arquitetos, consultores e profissionais de esquadrias e acústica. Para isso, vai reunir alguns dos maiores especialistas do setor no País, apresentar inovações tecnológicas e debater estudos de casos com a plateia.

O evento ganha importância porque a região Sul registra o maior índice de pressão de ventos do País e bruscas mudanças climáticas. Desta forma, o perfeito fechamento de uma janela é necessário para aumentar o conforto acústico dos ambientes e garantir a qualidade de vida das pessoas.

O empresário Edison Claro de Moraes, diretor da Universidade do Som, presidente da Pró  Acústica e um dos criadores do evento, explicou também que o Vidrosom, mais uma vez, terá caráter didático, em sua palestra, vai demonstrar como a desinformação pode comprometer um projeto acústico ou arquitetônico:

“Vamos chamar atenção sobre os problemas provocados pela falta de informação sobre o valor agregado do vidro e suas propriedades acústicas” frisou.

Na abertura, o engenheiro Carlos Henrique Mattar, gerente de marketing da CEBRACE, vai explicar como controlar as ondas sonoras, o desempenho acústico dos vidros e a própria evolução da aplicação de vidros em janelas e fachadas. “Nossa apresentação vai dar destaque para o valor agregado dos vidros laminados e insulados na junção com os caixilhos de qualidade”, frisou.

A engenheira Michele Gleice, diretora técnica do ITEC – Instituto Tecnológico da Construção Civil – vai dar um panorama geral das Normas de Desempenho Acústico, além de destacar outros temas como infiltração da água, resistência a carga de ventos e permeabilidade do ar. Já o empresário José Guilherme Aceto, diretor geral da Avec Design, vai abordar as novas tendências e as novas tecnologias para envidraçamentos.

Logo depois, os palestrantes se reúnem em um “talk-show” para debater os principais temas do encontro e responder perguntas da plateia. O Vidro Som tem cunho social: o dinheiro arrecadado com as inscrições será revertido para duas entidades:  Asilo Padre Cacique, de Porto Alegre; e a Nova 4E – Entidade Especializada em Pessoas Especiais, de São Paulo.

 

Concurso de Desenhos

Desde a primeira edição, o VidroSom criou um Concurso de Desenhos com o objetivo de despertar em crianças de 7 a 12 anos da rede estadual de ensino a conscientização sobre os graves problemas provocados pela poluição sonora nas grandes cidades do País. Neste ano, foram convidadas para participar do concurso a Escola Estadual Olegário Mariano (Porto Alegre) e a Nova 4E (SP). Os autores dos melhores trabalhos irão receber computadores e brinquedos. O regulamento do concurso está disponível no site do evento. A 8ª edição do VidroSom tem o patrocínio exclusivo da CEBRACE e apoio do ITEC, Pró Acústica, AFEAL e ABRAVIDRO, com realização do SINDIVIDROS-RS.

 

Serviço

Evento: 8º VidroSom (Soluções Acústicas em Vidro)

Data: 18 de Maio de 2016

Horário: A partir 14 horas

Local: Hotel Deville Porto Alegre – Salão Piratini 1 e 2

Endereço: Avenida dos Estados, 1909, Porto Alegre (RS)

Fone: (51) 3373-5000

Site: www.vidrosom.com.br