Posts

Uma nova visão para revitalização de prédios

Você já ouviu falar em Retrofit?
Quando se fala nisso muitas pessoas já logo pensam em uma cobertura com estrutura metálica e vidros. Mas se dissermos que é possível restaurar uma fachada de outra forma e ainda deixar o prédio com uma cara moderna?

6 dicas de acústica para minimizar barulhos incômodos no home office

Manter os barulhos indesejados fora das nossas vidas é uma questão de saúde, e quando estamos em casa no nosso momento de descanso ou para algumas pessoas trabalhando em Homeoffice, manter o espaço silencioso é fundamental. Aqui no Blog temos várias matérias que explicam melhor a importância de um bom isolamento acústico.

Mas hoje traremos algumas dicas que o pessoal da Hora de Santa Catariana preparou para minimizar os problemas de ruídos durante o Homeoffice. São dicas importantes e fáceis que vão ajudar e muito a sua vida.

Seis dicas para melhorar a acústica no home office

Escolha um cômodo longe da rua: o barulho emitido por veículos em ruas e rodovias é a principal fonte de ruído em grandes cidades. Por isso, a primeira dica é escolher como local de trabalho um cômodo que esteja o mais distante possível da rua.

— Às vezes é difícil, mas se puder, tente remanejar um cômodo para servir de escritório nesse período — fala o doutor em engenharia ambiental e acústica, Pablo Serrano, idealizador do http://portalacustica.info/

Aproveite mobílias e revestimentos que absorvam o som: móveis, livros, tapetes, cortinas e outros itens que as pessoas têm em casa ajudam na absorção do som e são grandes aliados na hora de gravar ou transmitir conteúdos em áudio ou vídeo.

— Se sua sala tem pouca mobília e paredes de alvenaria pintadas, considere colocar painéis de absorção sonora em pontos estratégicos, como atrás do seu monitor, na parede atrás de você, logo aos lados, e no teto logo acima de você, na meia distância entre o monitor e a sua cabeça — sugere Serrano.

Sempre que possível, use equipamentos direcionais: a escolha do microfone adequado interfere na qualidade do áudio. Por isso, opte sempre por equipamentos direcionais, ou seja, aqueles que captam mais diretamente a voz e não os sons que estão ao redor. Headsets com microfones próximos à boca são boas alternativas. Microfones de lapela, gravadores direcionais e até mesmo o microfone do fone de ouvido do celular são alguns exemplos de equipamentos que permitem uma captação mais direcionada e limpa do som.

Escolha os melhores horários para gravação: independentemente de todas as dicas, é provável que cada casa esteja mais silenciosa em determinados horários do dia. Descobrir qual é o melhor horário para gravar ou fazer lives contribui para que o conteúdo tenha mais qualidade sonora.

Invista em janelas acústicas: portas e janelas servem não apenas para garantir privacidade ao seu local de trabalho, mas também atuam como barreiras para o som. Mas janelas comuns não são tão eficientes contra o tráfego de veículos, sons de obra ou vizinhos barulhentos.

Se seu trabalho em casa é algo permanente e seu ambiente apresenta problemas de ruídos muito graves, o ideal é ter janelas acústicas ou antirruído que são geralmente compostas por vidros duplos separados por uma câmara de ar ou uma camada de película de polivinil butiral, o PVB. Quanto mais densa a esquadria da janela (alumínio, ferro), mais ela irá isolar o som, visto que pelo vidro é sempre mais previsível saber o quanto de som passa.

A escolha do tipo de janela acústica varia de acordo com o ambiente, por isso, consultar especialistas em isolamento acústico é primordial antes de começar a construir. Se tudo já está construído, soluções de sobreposição são uma ótima alternativa que evita obras e é muito rápido de instalar.

Revestimentos acústicos: assim como no caso das janelas, um investimento que pode ser necessário é em revestimentos acústicos. Eles são feitos com materiais cujas propriedades acústicas atenuam o som dos ruídos externos ou ruídos de dentro do ambiente.

— Hoje existe uma enorme quantidade de produtos, materiais e dispositivos acústicos disponíveis no mercado, muitos deles podendo ser customizados. Um especialista em acústica pode te ajudar a escolher a opção mais adequada para o seu escritório em casa — explica Serrano.

Fonte: https://www.nsctotal.com.br/noticias/6-dicas-de-acustica-para-minimizar-barulhos-incomodos-no-home-office

Imagem:<a href=’https://br.freepik.com/fotos-vetores-gratis/negocio’>Negócio foto criado por yanalya – br.freepik.com</a>

 

 

Atenua Som participa de projeto acústico da sede do Neojiba

A Atenua Som em parceria com a empresa Nagata Acoustics realizaram o tratamento acústico do Neojiba (Núcleos Estaduais de Orquestras Juvenis e Infantis da Bahia), programa governamental que tem por objetivo alcançar a excelência e a integração social por meio da prática coletiva da música.

A acústica ganha relevância no mercado hoteleiro com mudanças no comportamento do público


Ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade dos ambientes de hotéis a acústica ganha mais relevância já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia. Somado a isso, a velocidade com que se pode comunicar hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço de hospedagem pelo mundo.

Mais do que um bom serviço, boas camas e higiene, o setor hoteleiro de forma geral tem buscado oferecer experiências únicas, memoráveis e sensoriais que levem os hóspedes a certo encantamento. Nessa tendência da hotelaria, a acústica dos ambientes, ligada diretamente à sensação de conforto e privacidade, ganha mais relevância, já que a mudança no perfil do comportamento do público e suas exigências aumentam a cada dia.

Somado a isso, a velocidade com que se comunica hoje as impressões sobre um hotel, com ferramentas como sites de viagens e fóruns interativos, além das redes sociais, vêm transformando de forma constante o serviço dos hotéis pelo mundo.

O conforto acústico produzido por materiais sofisticados com texturas, cores e impressões personalizadas ajudam a compor a identidade de um hotel e se inserem de forma fundamental na experiência dos hóspedes. A evolução das soluções em acústica busca acompanhar um mercado repleto de novidades tecnológicas em que, em alguns hotéis, se pode mudar as posições das paredes do quarto, ajustar de forma eletrônica a cama em diferentes direções, colocar as roupas para lavar e em pouco tempo retirá-las limpas, secas e passadas. Nesses locais, privacidade, silêncio e tranquilidade ainda são itens essenciais para o descanso.

Não existem normas específicas para a acústica de hotéis no Brasil. A ABNT NBRs 15575e 10151 e 10152, são as que servem como referência. “Para se ter uma ideia, o nível mínimo da normativa brasileira para edificações residenciais é de 80 decibels em dormitórios. Padrões internacionais para quartos em hotéis cinco estrelas não toleram mais que 55 decibels de ruídos externos. Ou seja, bem acima da régua brasileira, segundo André Raeder, consultor de acústica da Harmonia Acústica.

O primeiro hotel Four Seasons do Brasil, localizado em São Paulo, teve projeto acústico realizado pela Harmonia Acústica, que incluiu o lobbyballroom, salas de convenções, quartos, residências e um clube com spa, piscina, academia, restaurante e bar. Segundo Raeder, “um dos maiores desafios foi tratar os ruídos da área de equipamentos sobre as suítes presidenciais e isolar o ruído da Avenida das Nações Unidas, além de adequar as situações complexas do projeto aos padrões 5 estrelas do hotel”.

“Esquadrias e paredes isolantes, tipos de pisos, isolamento de casas de máquinas (bombas, gerador e compressor), desacoplamento estrutural da piscina − caso a mesma esteja na cobertura −, redução da reverberação nos lobbys e restaurantes, especificações de forros e revestimentos para os auditórios e salas de reuniões, além da avaliação das áreas administrativas”, são alguns dos aspectos a serem avaliados, segundo Débora Barretto, diretora técnica da consultoria Audium Acústica, na complexa equação para se alcançar o conforto acústico em projetos de hotéis.

Para controlar os efeitos de ruídos e vibrações é necessário evitar ao máximo os contatos rígidos e dimensionar elementos antivibratórios para cada situação, explica Barreto. Além disso, projetar barreiras acústicas, molas, paredes e portas isolantes, borrachas especiais com base em uma análise criteriosa de um consultor especializado é importante, segundo ela.

Privacidade e silêncio
Isolamento para limitar o ruído sem incomodar os quartos vizinhos, manter a privacidade ou para ter o máximo de silêncio no descanso após um dia intenso de viagem, trabalho, passeio, esportes ou lazer, é tudo o que um bom quarto de hotel precisa oferecer. Para atender um problema real como esse em São Paulo, a Atenua Som, fabricante de janelas termoacústicas, foi indicada pelo próprio autor do projeto do luxuoso Hotel Unique, o arquiteto Ruy Ohtake, a solucionar as frequentes reclamações dos hóspedes. Os principais incômodos vinham do barulho da avenida devida às acelerações e frenagens de motocicletas e ônibus. A impressão dos hóspedes era de que a janela ficava aberta. Já na face oposta do prédio, o ruído vinha do som dos equipamentos de refrigeração, segundo Nicole Fischer, diretora de produção da Atenua Som.

Do tipo maxim-ar circulares, de aproximadamente 1,8 m de diâmetro, com fecho caracol, constatou-se que o principal problema das janelas do Unique não vinham dos vidros e sim das vedações das esquadrias que não atuavam da forma devida.

“A média de isolamento antes da nossa intervenção era de 22dB. Após o trabalho passou a isolar 35dB em média”, explicam Michael Klein e Aparecido Bonifácio, engenheiros do laboratório da Atenua Som.

As paredes entre os quartos e o revestimento das lajes nos hotéis são itens fundamentais para a privacidade dos hóspedes, entre os andares de cima e de baixo, e o corredor. As soluções e sistemas utilizados devem blindar os ambientes de sons provenientes de aparelhos de TV e música, elevadores, casa de máquinas, do tráfego de pessoas e de carrinhos de malas, de limpeza, do frigobar, entre outros equipamentos que são fontes de ruídos.

Os sistemas de paredes com melhor desempenho acústico e, por isso, mais utilizados em hotéis pela versatilidade, segundo Raeder, são as drywall, mesmo se comparados aos de alvenaria e outros.  “Mas, para garantir o melhor desempenho, o uso de chapas drywall mais densas é fundamental, por permitirem a aplicação direta da lã de vidro sem a necessidade de reforçar a estrutura, o que ajuda no isolamento de ruídos de impacto”, explica Fernando Neves, coordenador técnico e comercial da Saint Gobain.

Para o isolamento vertical, a indicação de Neves é o painel em lã de vidro aglomerada com resina sintética, uma película branca impermeável que trata os ruídos de impacto gerados no pavimento das estruturas nas edificações.

Mercado em crescimento
Em um período de baixa temporada na economia global, o mercado brasileiro que, em 2018, foi marcado pelo baixo nível de crescimento de novas ofertas de hotéis e ocupação, esse ano começa a dar sinais de recuperação. Os maiores investimentos estão sendo projetados ainda para 2019 e 2020, com previsão da construção de 123 empreendimentos distribuídos pela região Sudeste e Sul, segundo o Fórum de Operadores Hoteleiros do Brasil – FOHB. Além disso, segundo o mesmo Fórum, a ocupação hoteleira deve crescer 3,2% em 2019.

Cenários como esses são delicados para investidores que veem incertezas no contexto político do país e buscam dar tiros certeiros e sustentáveis em longo prazo. Com isso, os empreendimentos de uso misto com escritórios, residências, cinemas e áreas de comércio começam a crescer.

A ideia amplia o espaço do hotel como área aberta para a cidade e induz os hóspedes a terem experiências locais imediatas, mas trazem desafios para o conforto acústico dos usuários. Mais circulação de pessoas e diferentes tipos de equipamentos prediais colocam para o setor de acústica novos desafios e oportunidades.

Segundo Nancy Devai, gerente de produtos da Owa Sonex, “projetos como esses são bem planejados do ponto de vista da acústica. Muitos deles estão próximos das grandes avenidas e das marginais onde é necessário um tratamento acústico maior. Precisam ser muito bem concebidos para que uma área não interfira na outra de forma muito drástica. Os pontos de acesso precisam ser bem dimensionados e separados. São grandes facilitadores da mobilidade, mas exigem uma solução arquitetônica bem resolvida”.

O Palácio Tangará, por exemplo, um hotel 5 estrelas localizado no Parque Burle Marx, em São Paulo, além de oferecer sofisticadas experiências incluindo, uma gastronomia padrão Michelin, tem a acústica como item primordial de conforto aos hóspedes. O escritório de consultoria Akkerman Alcoragi foi o responsável pelo projeto de acústica. As divisões internas receberam as chapas drywall da Placo Saint Gobain nas paredes das suítes, circulação, banheiros e closets e o revestimento interno da fachada. Os forros foram colocados nos apartamentos e circulação, como em áreas nobres como lobby e salão de festas. Para o spa, ballroom e academia, a Owa Sonex forneceu a linha de forros acústicos.


O conforto acústico em corredores, áreas de lazer, cozinha, restaurantes e ambientes coorporativos, como salas de convenções, treinamentos e reuniões de empresas é responsável por parte importante do conforto sonoro ambiental de um grande hotel. “Como exemplo temos o sistema corredor, um forro removível, que são réguas de 30 cm por 2m, que é indicado para ser instalado em hotéis, pois resolvem bem o ruído de impacto”, explica Paula Omizzolo, gerente de desenvolvimento de mercado da Knauf AMF.

Além de manter o desempenho acústico as soluções devem se adequar ao perfil de design, identidade e valores da rede ou de cada hotel. Omizzolo ressalta que “hoje existem placas acústicas, forros e acabamentos que podem ser personalizados com a logomarca do hotel, imagens e cores específicas para compor com quadros na parede; além de máquinas que fazem cortes e criam mensagens e formas como as nuvens e ilhas acústicas de lã de rocha e dessa forma se consegue personalizar o design da acústica, importantes para o conforto visual dos hotéis”.

Créditos – ProAcústica
As imagens dos hotéis dessa matéria foram cedidas pelas empresas associadas citadas.

O barulho pode ser prejudicial para o cérebro das crianças

A poluição sonora é um problema que afeta a todos e com as crianças não é diferente. Pelo contrário, a sensibilidade auditiva dos pequenos pode ser ainda mais afetada. O barulho está por toda parte e as crianças precisam enfrentá-lo em casa, na rua e na escola. Com o passar do tempo, os ruídos vão afetando a saúde e o desenvolvimento de forma silenciosa.

O cuidado com a saúde auditiva deve ser controlado

A Associação Brasileira de Normas Técnicas orienta que uma casa ou escola não ultrapassem o limite de volume de 50 decibéis. Esse número equivale ao barulho que duas pessoas fazem enquanto conversam ou de uma biblioteca em funcionamento.

Ao ultrapassá-lo, o corpo pode começar a liberar os hormônios responsáveis pelo estresse e até aumentar a pressão sanguínea. Quanto mais demorado ou frequente é o barulho, maiores serão as conseqüências, podendo causar perdas cognitivas, problemas com a concentração e até afetar a memória.

Os riscos dos ambientes barulhentos para as crianças

Ter contato frequente com o barulho, como por muitos anos, por exemplo, pode causar desvios no desenvolvimento da fala e da escrita da criança.

Os batimentos cardíacos das crianças em ambientes barulhentos são significativamente mais acelerados. Além disso, a criança pode se tornar mais agressiva, barulhenta, estressada e desenvolver problemas para dormir.

Como mudar a realidade de um espaço barulhento?

Em sala de aula, algumas medidas podem ser tomadas, como por exemplo:

  • reorganizar os ambientes para montar grupos menores por toda a sala;
  • criar núcleos de trabalho fechados, para que as crianças possam se concentrar;
  • treinar movimentos mais leves e fala mais baixa, entre os adultos.

Em casa, o que pode ser feito é:

  • desligar a televisão quando ninguém está assistindo e não usá-la como companhia;
  • ter períodos do dia sem áudios ou qualquer tela;
  • diminuir os ruídos e o som da voz quando as crianças estão concentradas;
  • usar janelas antiruídos em ambientes barulhentos;
  • mudar para vizinhanças mais silenciosas, se for possível;
  • sempre que a poluição sonora vier de um ponto específico, como estabelecimento, busque o amparo da lei.

Percebemos o quanto um ambiente é barulhento apenas quando fazemos silêncio. Ambientes que são barulhentos o tempo inteiro não favorecem essa percepção, com isso nossa saúde pode ser prejudicada de forma paradoxalmente silenciosa.

Promover o silêncio ou oferecer um ambiente menos ruidoso é um benefício que proporcionamos às nossas crianças. Não quer dizer que, para isso, precisem ser controlados ou ter suas formas de expressão inibidas. Pelo contrário, o objetivo é dar espaço para o que realmente tem importância.

Uma polegada quadrada de silêncio

Há uma pequena área nos EUA chamada de “One square inch of silence” (tradução: uma polegada quadrada de silêncio). Considerada o local mais silencioso dos EUA, essa polegada quadrada é ocupada por uma pedra vermelha, situada nas proximidades de Forks, no estado de Washington.
O “silêncio” do local não significa que há silêncio total, e sim que é um local livre de ruídos humanos. O monitoramento do som é feito pelo projeto de pesquisa independente que dá nome à área. O objetivo principal do projeto é destacar a diferença entre sons naturais e sons decorrentes das atividades humanas, bem como preservar esse “santuário do silêncio”.

Preservação

Quando um ruído humano é detectado no local, os pesquisadores procuram descobrir a fonte do ruído. Um comunicado é enviado aos agentes causadores, informando sobre a quebra do silêncio, esperando de que parem com a atividade ruidosa voluntariamente. O curioso é que o único ruído humano ouvido no local é produzido ilegalmente, e por uma agência federal. Desde 2012 a Marinha dos Estados Unidos tem realizado vôos em missões de treino sobre a área protegida. Apesar dos protestos contrários, eles mantém as atividades.

Mais informações podem ser obtidas na página do projeto, em inglês: http://onesquareinch.org/

O ruído no decorrer da vida

Você sabia que o ruído pode impactar nossa vida, do início ao fim? Entenda como isso acontece em cada fase no infográfico abaixo:

Ruído durante a vida

 

 

A imagem original pode ser encontrada aqui.

Foco no que interessa!

O cérebro humano é adaptado para realizar diversas funções complexas, e muitas delas ainda não são bem compreendidas. Uma delas, denominada “cocktail party effect“, ou “efeito coquetel”, corresponde à habilidade de focar em sons específicos em ambientes ruidosos.

Sem o desenvolvimento dessa habilidade a comunicação seria uma atividade muito difícil, demandando muito esforço por parte dos interlocutores. Graças a ela podemos conversar em festas, interagir durante confraternizações, entender os professores numa sala de aula barulhenta.

Os estudos sobre esse efeito tiveram início na década de 1950, e por se tratar de um fenômeno tão cotidiano, despertou grande interesse nos campos de pesquisa de acústica, psicologia, audiologia e neurociência. E exatamente por se tratar de um evento tão comum, não notamos o quanto ele é complexo. Complexo o suficiente para ser uma barreira na tecnologia de identificação de fala, que não conseguiu replicar com sucesso essa audição seletiva.

Monitoramento de atividade cerebral

Uma equipe de pesquisadores do Departamento de Fala e de Ciências da Audição da Universidade de Washington utilizou técnicas de imageamento da atividade cerebral de sujeitos em condições em que o cérebro realiza esse processo de foco em sons específicos. Essas imagens permitem identificar a dinâmica do córtex auditivo e correlacionar os dados temporais e espaciais da atividade do cérebro.

Os resultados desse estudo levaram à teoria de que a identificação de fontes ocorre pela correlação temporal entre diversos parâmetros. Informações sobre frequência, localização espacial, entre outros parâmetros são agrupados pelo cérebro. Além disso, há uma parcela de colaboração entre informação visual e auditiva, tornando mais fácil a compreensão da fala em ambiente ruidoso.

Ainda existem muitas questões sem resposta sobre o assunto, porém é conclui-se que o ser humano sabe lidar muito bem com o ruído que o cerca. Mas não necessariamente precisamos demandar toda essa energia cerebral o tempo todo. Evitar ambientes ruidosos em casa e no trabalho pode trazer maior conforto e produtividade. Para isso, entre em contato conosco para conhecer nossas soluções!