Posts

O barulho pode ser prejudicial para o cérebro das crianças

A poluição sonora é um problema que afeta a todos e com as crianças não é diferente. Pelo contrário, a sensibilidade auditiva dos pequenos pode ser ainda mais afetada. O barulho está por toda parte e as crianças precisam enfrentá-lo em casa, na rua e na escola. Com o passar do tempo, os ruídos vão afetando a saúde e o desenvolvimento de forma silenciosa.

O cuidado com a saúde auditiva deve ser controlado

A Associação Brasileira de Normas Técnicas orienta que uma casa ou escola não ultrapassem o limite de volume de 50 decibéis. Esse número equivale ao barulho que duas pessoas fazem enquanto conversam ou de uma biblioteca em funcionamento.

Ao ultrapassá-lo, o corpo pode começar a liberar os hormônios responsáveis pelo estresse e até aumentar a pressão sanguínea. Quanto mais demorado ou frequente é o barulho, maiores serão as conseqüências, podendo causar perdas cognitivas, problemas com a concentração e até afetar a memória.

Os riscos dos ambientes barulhentos para as crianças

Ter contato frequente com o barulho, como por muitos anos, por exemplo, pode causar desvios no desenvolvimento da fala e da escrita da criança.

Os batimentos cardíacos das crianças em ambientes barulhentos são significativamente mais acelerados. Além disso, a criança pode se tornar mais agressiva, barulhenta, estressada e desenvolver problemas para dormir.

Como mudar a realidade de um espaço barulhento?

Em sala de aula, algumas medidas podem ser tomadas, como por exemplo:

  • reorganizar os ambientes para montar grupos menores por toda a sala;
  • criar núcleos de trabalho fechados, para que as crianças possam se concentrar;
  • treinar movimentos mais leves e fala mais baixa, entre os adultos.

Em casa, o que pode ser feito é:

  • desligar a televisão quando ninguém está assistindo e não usá-la como companhia;
  • ter períodos do dia sem áudios ou qualquer tela;
  • diminuir os ruídos e o som da voz quando as crianças estão concentradas;
  • usar janelas antiruídos em ambientes barulhentos;
  • mudar para vizinhanças mais silenciosas, se for possível;
  • sempre que a poluição sonora vier de um ponto específico, como estabelecimento, busque o amparo da lei.

Percebemos o quanto um ambiente é barulhento apenas quando fazemos silêncio. Ambientes que são barulhentos o tempo inteiro não favorecem essa percepção, com isso nossa saúde pode ser prejudicada de forma paradoxalmente silenciosa.

Promover o silêncio ou oferecer um ambiente menos ruidoso é um benefício que proporcionamos às nossas crianças. Não quer dizer que, para isso, precisem ser controlados ou ter suas formas de expressão inibidas. Pelo contrário, o objetivo é dar espaço para o que realmente tem importância.

Aplicativo promete melhorar o sono com áudios

Um aplicativo, Sleep Restore App, disponível para Android e iOS, promete melhorar o sono de seus usuários por meio de playlists de áudio.

O aplicativo baseia-se na teoria de EMDR, uma técnica de reprocessamento de memórias, a fim de eliminar a insônia causada por stress ao desativar preocupações e tensões físicas que inibem o sono.

EMDR e estímulos bilaterais

A sigla EMDR vem do inglês e significa “Dessensibilização e Reprocessamento por Movimentos Oculares”. Consiste numa técnica da neuropsicologia que utiliza o movimento horizontal dos olhos para o reprocessamento de memórias traumáticas, desvinculando o evento de sensações e elementos presentes no cenário. Os estímulos bilaterais surgiram como substitutos da movimentação ocular no cumprimento da mesma função.

O aplicativo apresenta uma série de áudios que realizam esses estímulos bilaterais, que durante o sono promovem a sincronização da atividade cortical na frequência Delta, relacionada ao sono profundo.

Qualidade de vida está diretamente relacionada à qualidade do sono. Alie métodos como os utilizados pelo aplicativo com o conforto acústico e tenha uma boa noite!

Cinco itens que te ajudarão a preservar a audição

Cuidar da audição é muito importante, visto que diversos fatores do nosso dia a dia podem prejudicá-la. Veja dicas importantes para mantê-la saudável por mais tempo:

• Diminuir o volume de aparelhos de som e/ou dos fones de ouvidos;

imagem1

• Evite fazer atividades físicas com fones de ouvido, pois a alteração do fluxo sanguíneo torna as células ciliadas mais sensíveis ao barulho;

imagem2

• Usar protetores auriculares em locais barulhentos;

imagem3

• Ficar atento ao sintoma zumbido e procurar um médico otorrinolaringologista;

imagem4

• Fazer exames preventivos para evitar a perda auditiva precoce.

imagem5

Além disso, adquira sua Janela Termoacústica e garanta a tranquilidade dentro da sua casa!

imagem5

O ruído no decorrer da vida

Você sabia que o ruído pode impactar nossa vida, do início ao fim? Entenda como isso acontece em cada fase no infográfico abaixo:

Ruído durante a vida

 

 

A imagem original pode ser encontrada aqui.

Som alto e volante

A música pode ser uma excelente válvula de escape para reduzir o estresse. Pode inclusive tornar o trajeto mais agradável. No entanto, se reproduzida num volume alto dentro do carro pode ser prejudicial.

Atenção dividida

Não é novidade nenhuma que o som alto pode prejudicar severamente a audição, mas não é só isso!  Uma pesquisa da Universidade de Groningen, na Holanda, concluiu que ouvir som alto aumenta o esforço do cérebro e, como ele compensa esse esforço, isso não deve impactar diretamente na condução do veículo, mas isso depende muito da situação.

A música pode interferir em situações em que o motorista deve estar mais atento, trazendo riscos à segurança. Assim, é muito importante que o volume esteja em nível aceitável, não sendo prejudicial à audição nem à atenção!

Barulho que pode prejudicar o coração

É quase impossível imaginar uma grande metrópole sem os ruídos do cotidiano.  São normalmente causados por carros, pessoas e até aviões, podendo tornar a hora de dormir em pesadelo.

Ruído e o coração

Um estudo realizado pela Universidade Johannes Gutenberg, na Alemanha, concluiu que viver em lugares barulhentos aumenta o risco de doenças do coração.

O excesso de ruído constante aumenta a produção de hormônios como cortisol e adrenalina, diretamente relacionados à estresse e ansiedade. Isso faz com o que o coração bombeie mais rapidamente aumentando pressão arterial, tensão nos vasos sanguíneos e coração. Esse aumento pode levar a inflamações, danos às células e ataques cardíacos.

A pesquisa também mostrou que pessoas menos estressadas possuem níveis mais baixos de colesterol, melhor resposta imune e taxas mais elevadas de antioxidantes no sangue.

Se você mora em um local barulhento, entre em contato conosco e previna-se!

Ruído nas escolas: um problema muito maior do que parece

É inevitável enfrentar o barulho na escola ou na sala de aula. No entanto, em muitas escolas, ele ultrapassa os limites tolerados, podendo causar diversos problemas para os estudantes.
Além de problemas auditivos, a exposição aos altos índices de ruído pode gerar estresse e dificuldades na aprendizagem. Conforme um estudo realizado pela Universidade de Oldenburg, na Alemanha, muitas escolas brasileiras ultrapassam o limite tolerado. Os momentos de intervalo são os mais ruidosos, porém a situação nas salas de aula também não é favorável.

 

Tratamento acústico em escolas

É necessário prover a alunos e professores estruturas adequadas e ambientes propícios ao ensino e aprendizado. Atenção à acústica traz melhorias no desempenho das crianças e maior satisfação a pais e mestres.
Uma das formas de aprimorar a estrutura das salas de aula é impedindo a entrada do ruído. Para isso, fornecemos soluções em esquadrias antirruído que podem acarretar melhorias em sua casa ou escola! Entre em contato conosco e faça seu orçamento.

Poluição Sonora – Exposição na gravidez aumenta risco de disfunção auditiva em bebês

-

Estudos recentemente publicado na Suécia pelo Institute of Environmental Medicine (IMM)  informam que a exposição à poluição sonora durante a gravidez pode prejudicar a audição da criança, com um aumento de 80% de risco em ambientes com níveis altos decibéis.

A recomendação é que mulheres grávidas devem evitar os níveis de ruído superiores a 80 dB, mas infelizmente esta recomendação não é sempre seguida.

Anteriormente se pensava que os bebês recebiam isolamento apropriado ao ruído externo, mas estudos informam que os barulhos, especialmente ruídos de baixa frequência, são fisicamente conduzidos para o feto.

A pesquisa foi realizada pelo Conselho Nacional de Saúde e Bem-Estar da Suécia com mais de 1,4 milhões de crianças nascidas entre 1986 e 2008.

A exposição ao ruído durante a gravidez foi divida em três categorias: baixo (<75 dB); média (75-84 dB) e alta (85 dB).

Para as mulheres que haviam sido expostas aos ambientes de ruído de alto nível (mais de 85 dB), o risco de disfunção auditiva em seus filhos foi de 80% mais elevados do que para as mulheres que haviam trabalhado em ambientes com mais atenção acústica.

Entre as mulheres que estavam expostas aos altos ruídos durante tempo parcial, os pesquisadores descobriram um aumento de 25% no risco – o que não foi considerado um problema estatisticamente significativo.

No grupo de mães que estavam expostas na categoria média não houve aumento significativo, mas a possibilidade de maior risco nos diagnósticos na disfunção da audição foram consideradas.

A música que você está ouvindo pode afetar seu humor

-

São vários os fatores que transformam o começo do seu dia com alto-astral: uma boa noite de sono, estar com boa saúde, ter em mente um bom dia de trabalho e etc… mas o que você talvez não saiba é que qualquer coisa que você estiver ouvindo tem a capacidade de afetar completamente o seu humor.

Vamos destacar as faixas musicais que você costuma ouvir, a música pode mudar completamente o seu estado de espírito!

Um recente estudo feito pelo “Centre for Interdisciplinary Music Research” (Centro de Pesquisa Interdisciplinar de Música) das universidades University of Jyväskylä, Aalto University na Finlândia e Aarhus University na Dinamarca, relatou que a saúde mental do paciente está diretamente relacionada ao que foi ouvido no mesmo dia, então a dica é ter mais cuidado ao selecionar sua trilha sonora diária para não afetar o seu humor.

Usando observações comportamentais e informações fornecidas através de mapas da atividade no cérebro, os cientistas descobriram que os receptores neurais trabalham de forma diferente dependendo do que o paciente estava ouvindo, seja uma música melancólica ou um ritmo alegre.

No teste, os pacientes que ouviam música lenta muitas vezes tinham experimentado sentimentos de solidão e depressão, enquanto os pacientes que ouviam músicas com letras otimistas e agitadas conseguiam obter um dia mais produtivo e animado durante suas tarefas do restante do dia.

Mas a questão ainda permanece: Como é que tudo funciona?

Uma área inteira do cérebro, controlada por receptores neurais minúsculos, é dedicada ao inconsciente e emoções.
Mesmo sem você perceber, o seu cérebro está em atividade constante controlando suas emoções e esses minúsculos receptores estão funcionando de forma diferente. Eles são rapidamente influenciados por tudo o que recebe através da audição – músicas, poluição sonora, ruídos externos e do ambiente de trabalho.

Se você está preparado para contribuir positivamente na maneira como está se sentindo a cada dia, selecionamos três dicas rápidas para manter seu cérebro feliz com uma pequena ajuda musical.

1. Músicas românticas
Limite-se a ouvir até cinco músicas lentas (com temas tristes e românticos) por dia e depois mude para algo otimista.
Se você adora sons calmos ou músicas melancólicas durante seu trajeto ao trabalho, faça uma seleção de faixas musicais animadas e com alto-astral para testar como seu dia será melhor!

2. Ouça o ruído branco
Estudos demonstram que o ruído branco é uma ótima alternativa para música e também é uma boa ferramenta para relaxamento.
A dica é optar também por áudios com o barulho da chuva, de floresta ou mesmo do oceano. Existem vários aplicativos oferecendo trilhas sonoras da natureza e é fácil localizar o tema no Youtube.

Veja dicas de aplicativos aqui no Blog da Atenua Som na matéria: “Saiba usar a música e outros sons em seu benefício”

3. Já ouviu um podcast ?
Não gosta de ouvir música de manhã e busca algo um pouco mais suave ou informativo para o seu trabalho matinal?
Tente um podcast!
Procure o áudio de seu programa de TV favorito, de blogueiros que comentam sobre o seu tema preferido ou de material publicado da imprensa especializada, além de contribuir com o seu lado cultural os podcasts são uma ótima alternativa para agradar seus ouvidos.

Indiferente do seu estilo musical, tenha a mente aberta para conhecer novos estilos musicais e o trabalho de outras bandas e músicos.
Quando perceber as mudanças em seu humor diário, a busca por novidades será cada vez mais gratificante!